sexta-feira, 8 de junho de 2007 | By: Mandi

Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças



Sinopse:
Joel (Jim Carrey) e Clementine (Kate Winslet) formavam um casal que durante anos tentaram fazer com que o relacionamento entre ambos desse certo. Desiludida com o fracasso, Clementine decide esquecer Joel para sempre e, para tanto, aceita se submeter a um tratamento experimental, que retira de sua memória os momentos vividos com ele. Após saber de sua atitude Joel entra em depressão, frustrado por ainda estar apaixonado por alguém que quer esquecê-lo. Decidido a superar a questão, Joel também se submete ao tratamento experimental. Porém ele acaba desistindo de tentar esquecê-la e começa a encaixar Clementine em momentos de sua memória os quais ela não participa.
Há algumas semanas estava para escrever sobre este filme. Mas nunca tinha a oportunidade, até que ela apareceu, metendo o pé na porta (ou na bunda, vai saber). Não sei se vocês já assistiram. "Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças". Eu me lembro quando eu o assisti e logo ele se tornou um dos meus favoritos. Me fez pensar e eu me apego facilmente a tudo o que me causa reflexão.
Se você vivesse uma história com alguém e essa história terminasse, e houvesse a possibilidade de você apagar a lembrança disso tudo da sua mente, o que você faria? Gostaria de saber o que os leitores deste blog pensam. Mas, neste momento, vou dizer o que eu penso. E a minha resposta é: depende.
Sempre adorei história. E sempre tive a certeza de que nossa história é única e que nós somos capazes de aprender com ela. Sabe aquela coisa de não repetir nossos atos quando sabemos que eles já não funcionaram uma vez? Mas a memória pode ser cruel, também. Pode ocupar um espaço e criar barreiras no futuro.
Esse tipo de lembrança, eu apagaria.
Apagaria as lembranças que me impedem de ouvir uma música ou assistir um filme. Que me impedem de ler um livro ou de sorrir com sinceridade. Eu apagaria, sim, aquelas lembranças com as quais eu não sei lidar e que me fizeram tomar as decisões que tomei ou fiz com que outras pessoas tomassem, criando um vazio que ocupa espaço, ao menos para mim.
Mas isso sou eu, fazendo drama e sendo mulherzinha.

3 observações:

Marcinha disse...

A gente já falou sobre esse filme...ele me perturbou muito... o que eu não daria agora pra que essa "Lacuna" existisse(esse era o nome da empresa, não?)... adivinha o que pensei quando assisti esse filme???

É claro que apagaria... e como não me lembraria de nada não teria como me arrepender....

Como queria que existisse um botãozinho.... e apagar pra sempre..
Vc tem razão: "Mas a memória pode ser cruel, também. Pode ocupar um espaço e criar barreiras no futuro."

Vc disse tudo Amandinha...

beijinho

*ps. adorei vc fazendo drama e sendo mulherzinha... hahahahhaha muito bom

Lu disse...

Você deveria tentar ser mulherzinha mais vezes.
Talvez assim conseguisse aprender alguma coisa.

Mychelly disse...

Sempre que saiu de um relacionamento a primeira coisa que penso é nesse filme.
Como seria bom apagar aquela raiva , mágoa, tristeza ou qualquer outro sentimento.
Mas, tudo acaba depois de uns meses, fico imaginando o que seria da minha vida sem as lembranças do que vivi, acho que o vazio seria maior.

bom... tô com o rei e não abro:
"Se chorei ou se sorri
O importante
É que emoções eu vivi"