domingo, 21 de outubro de 2007 | By: Mandi

Um pouco de blá-blá-bla

Esta semana, DV, o editor-chefe do jornal onde trabalho, apareceu com a edição de outubro da revista Brasileiros. Eu já tinha a de setembro, que ele havia me recomendado, e que ainda estou lendo... e ele contando sobre a matéria com o Macaco Simão... Daí levei a revista para casa...
Isso foi na quarta-feira, um dia em que eu acordei péssima e que tudo no meu dia foi péssimo. Dormi mal, tive pesadelos, acordei triste e nada dava certo ao longo do dia. E eis que o celular toca, enquanto estou na fila de uma loja, na hora do almoço... Era o Marcunda. Que, de repente, teve um estalo de ligar para mim (amigos super-heróis são o máximo)...
- E aí, tudo bem?
- Tudo
- Mesmo?
- Nãaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaao. Eu tô péssima, meu dia tá péssimo, tá tudo errado...
- Você tá na TPM, não tá?
- Tôoooooooooooooooo.
- Ah, então tá bom. Pensa que é só uma semaninha e logo vai melhorar...
- Táaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa.
E depois desse desabafo, a conversa seguiu... basicamente, a história que se seguiu é o momento em que nós dois nos encontramos em nossas vidas. Bastante parecidos, apesar do intervalo com o qual as coisas acontecem...
Foi-se um momento em minha vida em que eu decidi ligar o botão do foda-se e seguir em frente. Era a coisa mais sensata a se fazer, ir para frente sem olhar para trás. Mas chega uma hora em que a gente precisa tirar o pé do acelerador, porque acredita que já é seguro o bastante.
Sabe aquela frase clássica de filmes americanos, you can run but you can't never hide. Você pode correr, mas não pode se esconder. É a mais pura verdade. Corri tanto que não tive tempo de me esconder. E nem poderia.
E foi aí que eu precisei parar para pensar. E optei por um período de recolhimento. Colocar as idéias no lugar. Arrumar meus armários, organizar minhas roupas, minhas gavetas, meus livros... Ter a falsa sensação de que isso pode, de alguma maneira, se refletir em mim, em minha vida...
Se por um lado eu preciso me desculpar aos meus amigos por minha ausência, por outro eu espero que eles compreendam que eu tenho muito pouco a oferecer neste momento... Um copo meio cheio, um copo meio vazio... o ponto de vista varia com o meu humor naquele dia...
Daí que não é só TPM, como acertou o Marcunda... é mais do que isso... mas também vai passar, eu sei.
E onde entra a revista Brasileiros que o DV me deu nisso tudo? Além de ter animado a minha quarta-feira, logo depois da matéria com o Macaco Simão - que foi incrível, em especial pelas lições que dele aprendi - tem uma entrevista com Hector Babenco.
Ele está lançando um filme chamado "O Passado". E, em um dado momento, declara: "As pessoas são hoje o acúmulo silencioso do que foram um dia".
E hoje, isso é tudo.

1 observações:

Serjones disse...

tô louco pra ver esse filme.